sábado, 6 de dezembro de 2008

Ontem me aconteceu uma coisa engraçada. Assustadora, até.

1~] O Episódio



Na quinta-feira fiquei assistindo tevê de madrugada, sem sono. Começei a assistir um episódio de Cold Case (Arquivo Morto em terras tupiniquins), um seriado que se concentra em desvendar casos antigos, já esquecidos. O episódio - That Woman - era sobre uma adolescente de quinze anos chamada Carrie Swett que é, digamos assim, mais rodada. Apesar de ter vários namorados, ela se interessa pelo jogador de futebol do time da escola, bem no esteriótipo americano desse personagem. Só que ele acaba humilhando-a na frente dos amigos, demonstrando não se importar com ela. Então, uma participante de um grupo religioso, que apoia voluntariamente a preservação da virgindade chama-a para participar. O problema começa ai.
(A partir de agora, podem surgir spoilers. Se algum dia planeja ver esse epísódio, recomendo que pule até o proximo paragrafo) Os participantes do grupo, apesar de toda a suposta sinceridade que os cerca, escondem segredos. Tina, que a levou ao grupo, tem senhos eroticos com o jovem pastor que é mentor deles. E ele se masturba ouvindo-a contar para ele. Nathan é gay, mas não consegue nem ouvir essa palavra. Um casal de namorados já transou, e a garota tem medo de engravidar já que eles não se protegem. Carrie aparece, e meio sem querer acaba mexendo com essa hipocrisia. Porém, os integrantes não parecem ficar muito felizes com isso, e acabam mantando-a apedrejada.

2~] Teia de Informações

Já na sexta, fui pegar algo pra ler. Ia continar a leitura de V de Vingança, mas decidi ler algo mais leve, já que er aantes de dormir. Então peguei uma edição antiga da revista Mundo Estranho, de 2007. Folheando, cai na página sobre séries e filmes. E em um quadro onde qualquer série pode ser citada, lá estava o Cold Case. Pior, falando sobre esse episódio.
Não é a primeira vez que isso acontece comigo. Descobrir uma coisa em um dia e no dia seguinte ler algo totalmente relacionado a isso já se tornou comum para mim. Será isso normal?
Tenho uma teoria, bem estranha sobre isso. É como se quando interagimos com algo, os outros elementos que tem relação com ele se aproximassem de nós. Como uma teia viva, sempre em movimento. Ao ler um texto sobre a Guerra dos 100 anos, por exemplo, no meu livro de história, eu passasse a atrair outras coisas relacionadas a isso, inconciente, ao escolher o próximo filme que irei assistir.
Ou pode ser tudo coincidência.

Mas que é curioso é, já que eu poderia pegar qualquer outra revista para ler. O que vocês acham disso?

3~] Sobre o comentário da revista

A revista tem um quadro chamado "Micando" sobre a séries que, por qualquer motivo, estejam indo mal nos Estados Unidos do Obama. E ela citou o episódio de Cold Case, já que ele recebeu criticas de religiosos pelo episódio. O que é ridiculo. Os EUA são tão povoados de religiosos que não tem mais o que fazer, e ficam arrumando coisas para estragar. Acho que o Felipe Neto foi perfeito nesse post no Controle Remoto. De hipocrisia, já basta nós mesmos.

4 comentários:

George Marques disse...

Eu ainda acho que é só coincidência [ceticismo mode: on]

Lembrei do meu irmão que estava lendo um livro e numa parte falava o dia, o mês e o dia da semana, que era exatamente o mesmo dia que ele estava lendo. Ele ficou um tempo sem ler e quando resolveu continuar aconteceu a mesma coisa [whatever]

Coincidências.

Sir Lucas disse...

Meu ceticismo também me fala que é tudo coincidência. Mas foi divertido criar uma teoria sobre isso. Quem disse que tudo não foi inventado assim, de deus ao monstro do lago ness? :D

Barbarella disse...

Concordo exatamente com isso, estamos todos interligados numa teia invisível sim.

Olha, encerrei meu twitter, mas estarei sempre por aqui ...

Passe no meu blog e pegue o selinho Barbarella tá, estou repassando para algumas pessoas que admiro, uma delas é você.

**

Dalleck disse...

"Quem disse que tudo não foi inventado assim"... inclusive esse post? xD